terça-feira, 5 de agosto de 2008

O Pagador de Promessas

"Bonitão
Não falei por mal. Eu também sou meio devoto. Até uma vez fiz promessa pra Santo Antônio...


Casamento?

Bonitão
Não, ela era casada.


E conseguiu a graça?

Bonitão
Consegui. O marido dela passou uma semana viajando.


E o senhor pagou a promessa?

Bonitão
Não, pra não comprometer o santo."

Um trecho do livro O pagador de Promessas de Dias Gomes. E esse trecho é ótimo para sintetizar o livro todo, a conveniência, usam/manipulam a idéia do outro como bem entendem. No trecho, Bonitão usou a promessa para adultério e não precisou "pagar" mais tarde para não comprometer o santo. Ou seja, tudo vai conforme o interesse de cada um. E acredito eu, a vida "real" é bem assim também, como Dias Gomes ilustra no livro.
O que mais achei interessante foi como o autor mostra o jogo de interesses que todos os personagens faziam em cima do personagem principal, "seu" Zé-do-Burro.
E o personagem é tão imaturo, sem maudade que só depois que os tais interesses se repercurtem, que ele ironiza "todo mundo só quer ajudar". Todos apareciam em sua vida demonstrando compaixão e querendo ajudar o pobre que andou sete léguas com uma cruz nas costas para pagar uma promessa.
É uma grande manipulação, o que fazem com Zé-do-Burro. E ele, muito inocente, não nota porque está mais preocupado em cumprir a promessa que fez.
A mentalidade machista, de que as mulheres de nada valiam, se não para cuidar da casa, do marido e dos filhos também aparece no livro.

"Rosa
E pra você não se sujar com a santa, eu vou ter que dormir no chão, no "no hotel do padre". (Olha-o com raiva e vai deitar-se num dos degraus da escada da igreja). E se tudo isso ainda fosse por alguma coisa que valesse a pena...


Você podia não ter vindo. Quando eu fiz a promessa, não falei em você, só na cruz.

Rosa
Agora você diz isso. Dissesse antes...


Não me lembrei. Você também não reclamou...

Rosa
Sou sua mulher. Tenho que ir pra onde você for..."

Ou seja, por ser casada, tem que acompanhar o marido aonde ele for. Mostra como era a mentalidade da época, a mulher submissa ao homem.
É uma peça teatral muito boa, vale a pena ler.

Um comentário:

Daiana disse...

obrigado, essa postagem me ajudou muito

Deus te abençoe!!!


=D